Slider

Futuros possíveis

Futuros possíveis

Transumanismo, interação homem-máquina, cidades mais autônomas, novas formas de produção e consumo estão entre os assuntos que serão debatidos por pensadores brasileiros e estrangeiros, neste sábado dia 7, na Casa Firjan. Participantes vão poder provar comida 3D, viver experiência imersiva multi-planetária e chegar a Marte por meio de hipnose. A Casa Firjan realiza a 2ª edição do “Festival Futuros Possíveis”. Com o tema “Fronteiras” como principal fio condutor, a programação começa às 9h e vai até as 21h, com palestras, painéis, debates, oficinas e experiência imersiva. Especialistas de diversas nacionalidades e com formação variada vão apresentar várias visões de futuro e das transformações que vão impactar nosso modo de vida em sociedade.

Entre os palestrantes, estarão o mineiro Ivair Gontijo, que trabalha na Nasa, o neurocientista Stevens Rehen, o mexicano Nahum Mantra; primeiro artista a ter uma obra de arte no espaço; o coreano naturalizado americano Robert Anderson, pesquisador de transumanismo; a queniana Muthoni Wanyoike, especialista em inteligência artificial; e o venezuelano Tomas Diez, diretor do FabLab Barcelona.

O festival vai terminar com um show do pianista carioca e afrofuturista Jonathan Ferr, misturando arte e tecnologia.

“O Festival é o momento em que a Casa Firjan convida a sociedade a explorar temáticas de futuros ainda distantes. “Neste momento, não existem respostas prontas, mas podemos antecipar perguntas. É importante dedicarmos tempo para provocar, refletir, propor e imaginar cenários”, explica Maria Isabel Oschery, gerente de conteúdo da Casa Firjan. “A gente tem capacidade de influenciar os inúmeros panoramas que podem emergir. Daí a importância de reunir, num mesmo lugar, empresários, startups, designers, pessoas inquietas, junto a pensadores nacionais e estrangeiros, que se dedicam a estudar esses novos horizontes”, complementa.

Trilhas temáticas

A programação do Festival Futuros Possíveis é dividida em três trilhas temáticas. Na parte da manhã, a primeira trilha “Redefinindo fronteiras em um mundo hiperconectado” discute os principais desafios geopolíticos em uma sociedade cada vez mais digital e globalizada. Participam dela Thiago Rondon, fundador e CEO do AppCívico e codiretor no Instituto Tecnologia e Equidade (IT&E); Ivair Gontijo, físico e engenheiro de Sistemas da NASA; a queniana Muthoni Wanyoike, cofundadora da organização Nairobi Women, especialista em Machine Learning e Ciência de Dados.

À tarde, a segunda trilha – “As novas fronteiras entre bits e átomos” – aborda as novas lógicas de produção e consumo. Débora Emm, sócia fundadora na Inesplorato, vai fazer a mediação deste painel que reúne o paulista Cairê Moreira, fundador da startup Genyz – Consultoria de Pesquisa e Desenvolvimento de Soluções em 3D; o carioca Thiago Palhares, especialista em Impressão 3D e mestre em Ciência e Tecnologia de Polímeros pelo IMA/UFRJ; e o venezuelano Tomas Diez, cofundador e diretor do Fab Lab de Barcelona.

À noite, a terceira trilha – “Transcendendo a fronteira do que é ser humano” – trata sobre como os avanços tecnológicos nos fazem pensar sobre paradigmas da natureza e interação homem-máquina. Os palestrantes são Stevens Rehen, neurocientista e professor titular do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ; o coreano naturalizado americano Robert Anderson, especialista em TI e pesquisador do transumanismo; e a americana Dina Zielinski, cientista bioinformática e cofundadora do DNA.Land Genomics.

Oficinas,experiências e degustação de comida 3D

No intervalo, os participantes vão poder provar comida 3D, preparada por Thiago Palhares, que tem desenvolvido pesquisa sobre impressão de alimentação, utilizando entre os ingredientes insetos e PANCS – plantas alimentícias não convencionais.

A programação também é composta por oficinas e experiências. Com trabalho que explora a fronteira entre real e imaginário, o multiartista mexicano Nahum Mantra vai fazer a experiência “Vamos para Marte?”, vivência de hipnose com a proposta de levar os participantes a viajar pelo espaço e caminhar pelo planeta vermelho. Nahum desenvolveu obras artísticas em várias agências espaciais e é o primeiro artista a lançar uma criação de arte interativa no espaço em 2018.

A oficina “Reinventando o artesanato com a fabricação digital”, sobre o uso da fabricação digital para potencializar a produção artesanal, vai ser realizada em conjunto por Trinidad Goméz Machuca, CEO do FabLab Maya, do México; o designer mineiro Renato Imbroisi, que trabalha com artesanato brasileiro; e Felipe Laranja, coordenador do FabLab da Casa Firjan.

“Jogo Futuros Possíveis: criando cenários” é uma oficina para os participantes entenderem como é o processo de criação de cenários futuros, com Carol Fernandes e Isabela Petrosillo (BRA) – coordenadora e pesquisadora do Lab de Tendências da Casa Firjan.

O designer e artista 3D Cairê Moreira, que faz escaneamento corporal para criação de roupa digital, vai fazer o Atelier 4.0: Experimentando o futuro da moda. Na experiência, Cairê terá uma modelista e uma costureira para transformar em realidade a roupa digital.

Imersão em marte e lançamento de publicação

Curta Botafogo